segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Folha, isenta? Nem o Serra engole essa

Postado por Brizola Neto



Assim como mostramos (aqui e aqui) que o apoio do Estadão a Serra, na verdade, é uma declaração de “tudo menos Lula”, o editorial de hoje, na capa da Folha de S. Paulo não passa de mais uma peça hipócrita de quem coloca desabridamente o jornal a serviço de uma candidatura  e nem sequer assume isso perante seus leitores.
Hoje, o jornal publica uma matéria sobre as “ressalvas” que o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo teria aposto à gestão de Serra à frente do governo paulista.  É claro que, como você pode ver comparando o destaque dado a ela na primeira página ao que foram “cavar” das contas de Dilma de mais de 15 anos atrás, na Secretaria de Energia do RS, que você pode ver nas duas capas colocadas lado a lado neste post.
A gestão Serra tem problemas muito mais sérios no Tribunal de Contas paulista, a começar pelo internacional escândalo da Alston, que sequer é mencionado.
Eu quero dar, publicamente, aval às palavras com que a assessoria de José Serra respondeu à Folha. Ela é chefiada por Marcio Aith, que saiu do jornal paulista para assumir o cargo e conhece muito bem o jornal paulista. Os grifos são meus.
“A assessoria afirma ainda que a publicação da reportagem tem “o único objetivo de demonstrar uma aparência de isenção em razão de outra [reportagem]“.
A nota refere-se a reportagem, publicada pela
Folha na última segunda-feira, que mostra irregularidades apontadas pelo TCE do Rio Grande do Sul em gestões da candidata Dilma Rousseff (PT) enquanto secretária do governo gaúcho, nos anos 90.
A assessoria também afirma que a
Folha usou “documentos preliminares referentes a auditorias regulares de um único ano, para construir um falso equilíbrio entre candidaturas presidenciais diametralmente opostas em seus valores e crenças”
Nada melhor do que a afirmação dos próprios auxiliares de Serra, egressos da Folha de S. Paulo, para demonstrar o quanto soa hipócrita o editorial que a com que ela proclama:
“Esta Folha procura manter uma orientação de independência, pluralidade e apartidarismo editoriais, o que redunda em questionamentos incisivos durante períodos de polarização eleitoral.”
Então, tá… E vamos para a reta final de “onda verde” que ninguém vê o “consultor” Rubnei Quicoli.Aparentemente, entregaram os pontos.
Aparentemente, porém. Terça-feira há mais uma pesquisa Datafolha e mais algumas capas virão até domingo. Veremos a que ponto pode chegar a Folha em matéria de “independência, pluralidade e apartidarismo editoriais”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário